O que um homem faz na cama com você, ele fará também fora dela (livro “Os Indecentes”).

i-document-my-journey-into-adulthood-in-conceptual-self-portraits__880

O que um homem faz na cama com você, ele fará também fora dela.

Se ele insiste em pedir a você uma segunda mulher na cama, ele já tem (ou em breve terá) uma segunda mulher fora dela.

Se ele não deixa você mudar de posição quando você quer gozar, ele cortará suas possibilidades de gozo na vida.

Se ele te chama de cadela, vadia, vagabunda, puta na cama, é essa raiva muito mal disfarçada que ele sentirá por você na vida também (e os seguidores de titio Freud que se virem para saber se essa raiva abissal vem da mãe, da ex, de uma sexualidade mal resolvida, da mosca que pousou na sopa dele ou de tudo isso junto).

Se ele sente prazer em te machucar na cama, ele procurará maneiras de te machucar na vida.

Se ele toma banho imediatamente após transar com você, ele irá se livrar de qualquer vestígio seu fora da cama também.

Se ele reage mal quando você o acorda de madrugada para transar, ele reagirá mal quando você o acordar de madrugada frágil por conta de um pesadelo (e, embora nada impedisse que depois de um consolo viesse outro e tudo se misturasse novamente, como deve ser, isso não acontecerá com esse tipo de homem).

Se ele não fala bobagens e ri dessas mesmas bobagens enquanto se esfrega em você noite adentro, ele será rígido, sem humor e sem entrega na vida também.

Se ele insiste para que você goze apenas porque isso lhe conferirá o status de macho provedor de orgasmos, ele te dará aparente companheirismo na vida apenas para que o seu cartão de visitas social não seja arranhado.

Se ele só vê os desejos dele na cama, só verá os desejos dele na vida.

Se ele é inseguro e pede licença para enfiar a mão entre suas pernas – já sendo seu homem –, ele será um poço de insegurança em tudo o mais.

Se ele tenta te convencer a tirar a camisinha sem te oferecer fidelidade e exames de sangue, ele tentará fazer com que todas as suas proteções na vida caiam a fim de você fique em risco também.

Se ele não te beija na boca durante o sexo, não vai te beijar no elevador, muito menos no meio do estacionamento vazio e menos ainda sob a chuva (ou na fazenda ou numa casinha de sapé, etc., etc., etc.).

Se ele duvida do seu gozo, irá duvidar de tudo o mais sobre você.

Se ele vive te comparando a outras mulheres, outras que faziam gostoso todas as aberrações que você se recusa a fazer, se ele traz o espectro dessas outras para a sua cama, ele irá seguir te humilhando vida afora sempre que tiver uma oportunidade.

Eu citei apenas alguns dos cenários torpes que mulheres (e homens) encontram nesta Babilônia romântica em que vivemos, e é claro que existem os bons cenários e até mesmo os maravilhosos. Porém, contra esses, não há necessidade de se prevenir.