A vida acontece enquanto a gente se recupera.

ecd1336e-d9bc-444f-83a9-755eec1f2ca1

Na tela da TV, vejo uma moça de cabelos vermelhos, que luta contra a anorexia, ser entrevistada catorze meses depois do início de um tratamento profundo. O nome do programa é “Supersize X Superskinny” e o canal, Discovery Home & Health.

Com sua boquinha tão vermelha quanto os cabelos, ela diz sorridente:

– Eu sempre pensei que quando estivesse curada iria estudar, passear, namorar, etc. Mas eu percebi que não precisava esperar a cura para viver. Por isso, apesar de eu continuar em tratamento, apesar de eu saber que o caminho é longo, hoje eu estudo, saio com meus amigos, passeio, partilho a vida com minha família, namoro. Minhas atitudes mudaram completamente! Eu decidi viver enquanto me trato.

A “mocinha vermelha” (eu passei a chamá-la assim) tem toda razão! Como eu nunca pensei nisso antes? É comum nós ouvirmos centenas de vezes a mesma ideia até que subitamente ela passe a fazer sentido. Talvez isso aconteça quando nossas resistências em aceitar o óbvio diminuem, nossa teimosia arrefece e nos sentimos prontos para mudar. Sim, a vida acontece enquanto a gente se recupera – e parece que o tempo todo a gente está se recuperando de algo.

Quantas vezes você deixou a vida estacionada, trancada no quarto, morta, a espera de uma separação, de uma superação, de um emagrecimento, de uma cirurgia, de mais dinheiro, de uma família menos complicada, de um emprego novo, de um coração feliz? Não sei você, mas eu já fiz muito isso. Ainda faço.

Mas o fato é que a vida acontece, por exemplo, enquanto você está se separando – e, apesar da dor, você pode viver. Quem te impede?

A vida acontece enquanto você está fazendo quimioterapia – e, assim que o cansaço e o enjoo derem uma trégua, você pode viver. A vida não está só lá, depois da cura.

A vida acontece enquanto você se esforça para vencer o vício em comida ou bebida ou drogas – e, apesar do incômodo e da culpa, você pode viver. Por que outros prazeres deveriam ser interrompidos?

A vida acontece enquanto você faz exames para uma cirurgia – e, apesar da preocupação natural, você pode viver. Uma pré-ocupação não pode tomar todo o tempo.

A vida acontece enquanto seu irmão some e o Alzheimer da sua mãe avança – e, apesar das dificuldades, você pode viver. Por que parece impossível?

A vida acontece enquanto as dívidas te mordem o calcanhar – e, apesar do cinto apertadíssimo, você pode viver. Há tanta coisa boa e gratuita por aí!

A vida acontece enquanto você planeja uma mudança profissional – e, apesar da insegurança, você pode viver. Quem disse que não?

A vida acontece enquanto seu coração, ansioso por um batuque, permanece em silêncio – mas, apesar da solidão romântica, você pode viver. Se tudo estiver fechado e imóvel… tudo continuará fechado e imóvel.

Pois é, a moça de boquinha e cabelos vermelhos está certíssima: a vida acontece, também, enquanto a gente se recupera. Veja! Ela pode acontecer, preciosa, até mesmo agora, enquanto você lê esta crônica, não é?